quarta-feira

Confecção de móveis com qualidade II

 Confecção de móveis com qualidade.

Velocidade de corte.

            A velocidade de corte consiste na velocidade com que o gume de corte da faca/dente passa pela peça a ser cortada dentro de um segundo.
Quando tratamos de avanço manual, o limite de segurança da velocidade de corte é compreendido entre 40 e 70 m/s.
            A velocidade de corte é igual à velocidade periférica dos gumes de corte da ferramenta. É determinada pelo cálculo do diâmetro da ferramenta e a rotação que a mesma efetua:



Uma velocidade de corte muito alta provoca:

Menos desbaste
Aquecimento da faca/do dente
Peças queimadas na linha de corte
Menor vida útil da ferramenta.

Uma velocidade de corte muito baixa provoca:

Pré-rachamento, excessivo.
Superfícies ásperas, lascas.
Alto risco de contragolpe.
Menor rendimento de avanço.



Velocidade de avanço.

Quanto maior for a velocidade de avanço, maior será o comprimento do passo de faca:


Velocidade de avanço alta demais
Velocidade de avanço baixa demais
  1. Rachamentos, superfície áspera.
  2. Ondulações
  3. Alto perigo de contragolpe.
  4. Menor qualidade da superfície
  5. Custos elevados
  6. Menor vida útil das facas/dentes
  1. Maior tempo de trabalho
  2. Custos elevados
  3. Queimaduras na peça
  4. Alto aquecimento das facas/dentes
  5. Menor vida útil das facas/dentes
  6. Menor qualidade da superfície


Comprimento do passo de faca

            Comprimento do passo da faca\dente corresponde a distância da crista de uma ondulação à outra. Quanto maior a distância, pior a classificação de qualidade da peça usinada.
Quanto mais comprido for o passo de corte, mais visível ficará a ondulação sobre a superfície usinada.
Conseqüentemente, quanto mais curto for o passo de corte do gume de corte do cabeçote, mais lisa ficará a superfície usinada.


O acabamento do passo de faca  é classificado em três categorias:

- acabamento fino: Sz 0,3 a 0,8 mm 
- acabamento médio: Sz 0,8 a 2,5 mm
- acabamento grosso: Sz 2,5 a 5,0 mm

O comprimento do passo de corte.

Sz - depende da velocidade de avanço do material
Va - trabalhado, do número de rotações do eixo movido.
n - do número de gumes de corte
z (quantidade de dentes da ferramenta).



5.      Equipamentos de corte e usinagem dos materiais
     
      O eixo da serra e fresas devem estar paralelo centralizado com o plano de corte das peças.
      O flange deve ser 1/3 do diâmetro da serra nó mínimo, para evitar o empenamento do disco da serra.
      O ângulo de ataque dos dentes da serra pode ser positivo ou negativo, os dentes positivos proporcionam um acabamento mais áspero e devem ficar de 10 a 15 mm mais do que a peça no corte, já os discos de serra com dentes negativo vai proporcionar melhor acabamento devem ficar em torno de a 18 mm mais alto que a peça no corte.
 
6.      Afiação

 Podemos identificar quando uma ferramenta perder o poder de corte, através do desgaste do gume, descentramento do corte ou através da espessura das marcas de desgaste (lascamento).


As ferramentas sem gume de corte apresentam os seguintes problemas:

Maior custo de produção.
Maior gasto de energia.
Qualidade inferior das peças.
Desgaste ergonômico do operador.
Menor vida útil da maquina.

7.      Furação.


Broca helicoidal: Com dois gumes de corte frontais e dois pré-cortadores e ponta guia, proporciona pré – corte, riscando o revestimento primeiro depois furando.     



Características geométricas das brocas:

Quanto mais duro o material menor deve ser o ângulo da hélice 


            O ângulo de incidência ou ângulo de folga tem a função de reduzir o atrito entre a broca e a peça e facilitar sua penetração no material, variando entre 9º e 15º.
            Este ângulo também é determinado pela dureza do material que será furado (material revestido).

Escareador: È a operação que gera um rebaixo cônico no início de um furo previamente aberto, normalmente este furo irá receber a cabeça de parafusos de cabeça cônica.

8.      Montagem de móveis com dispositivos e conectivos de união.

            Para montagem de moveis devem tomar cuidado antes de fixar adequadamente os parafusos/ dispositivo de montagem fazer pré - furação do diâmetro do corpo do parafuso.
      Para melhor qualidade do móvel usar buchas de fixação em uniões de peças.

Características dos parafusos:

Pré-furação com diâmetro igual ao núcleo do parafuso.
Extremidade mais pontiaguda
Rosca de passo maior
Filete de rosca mais alto e mais fino.


9.      Isolamento total das peças. (Umidade).

            Todo material derivado de madeira tem o poder de ganhar e perder água para evitar que as placas absolvam umidade, todas as faces devem ser isoladas principalmente os topos com fita borda.

10. Acabamento de superfície em placas.

O acabamento de superfície em placas tema função de projeto e isolara o substrato contra a umidade e muito importante que a pintura seja executada em todas as faces das placas, com cuidado especial nos topos, incluindo os que não ficarão à vista.


Autor ; Prof. Riverson Tobias do vale.
              Professor de marcenaria no SENAI